Poder de Síntese e Dashboards

Nada mais natural que na descrição das habilidades e competências esperadas para uma oportunidade de analista, seja de negócios, de sistemas ou de dados, seja explicitada a necessidade de que o profissional possua um destacado poder de análise, muitas vezes declarado com a chamada: perfil analítico. Claro, afinal o analista, em tese, analisa algo. No entanto, tem chamado a atenção e causado um certo desconforto (ainda busco um melhor adjetivo para isto) que a ampla maioria – para não dizer todas – as oportunidades que aparecem publicadas em sites de recrutamento e seleção, entre outros especializados em ofertar vagas, que não se exige, adicionalmente, um perfil sintético. Mas por que isso me causa desconforto?

Sintetizar um conhecimento é algo tão ou mais importante do que o conhecimento em si sob pena de caso o transmissor da informação não o fizer de maneira adequada, ela não será corretamente transmitida e decifrada. Do contrário, se abusar da síntese, poderá fazer com que a informação seja exposta pela metade.

Não discorrerei sobre a tarefa de analisar um fato ou mais, pois tem sido exaustivamente debatida em fóruns de análise e na academia. Vou debruçar-me, ainda que sem me aprofundar o bastante, tão somente sobre a síntese e longe do que possa sugerir o título do artigo, o poder de síntese não pressupõe antagonismo ao poder de análise, muito pelo contrário: são elementos complementares.

Indo para uma seara mais confortável, quando publico um dashboard, a minha intenção principal é de convencer alguém a consumir a informação que estou expondo. Errou quem disse que a intenção principal do dashboard publicado é de que a informação esteja apresentada da maneira correta na forma e no conteúdo. Essa preocupação é de uma etapa anterior à publicação, e, também, condição necessária para atender a intenção principal. Polêmico? Vou explicar.


Como nasce um dashboard?

Na maioria dos casos em que eu assumi um papel de liderança na exposição de dados, obedeci o seguinte macro processo:

  1. Identificação da necessidade do cliente amparada por uma boa análise de negócio.
  2. Gestão dos recursos de dados que sustentarão a necessidade identificada.
  3. Análises Exploratórias, Explícitas e Implícitas dos dados baseadas nos insumos e direcionamentos da análise de negócio tais como as hipóteses levantadas e os KPI’s 1.
  4. Síntese das análises envolvendo a criação de um modelo de dados e a construção e publicação de dashboards.
  5. O dado exposto é consumido pelo cliente.

As etapas descritas acima, obviamente, não são rigorosamente sequenciais, podendo ocorrer de maneira paralela e se subdividirem em pacotes de tarefas menores, mas a grosso modo, essa tem sido por anos a minha “receitinha” de bolo.

O que eu tenho observado, nos inúmeros dados expostos que meus olhos passam, é que a etapa 4 tem sido severamente negligenciada, prejudicando, assim, o consumo das informações e consequente sucesso da missão. Às vezes, o que está publicado é uma tabela com muitas colunas, e não raras, com mais de um tipo de dado. A poluição visual só não é maior que a poluição informacional. Gráficos de pizza com mais de 7 categorias; barras misturadas com linhas com métricas em escalas diferentes separadas por um abismo numérico. Na preciosidade de mostrar o número ipsis litteris esquece-se que o principal seria a curva, a tendência e o comportamento do indicador. Que poder de síntese há em apresentar uma tabela crua, sem ter tido a devida preocupação com a estética, mesmo que analisada?

Em todos os níveis organizacionais, da diretoria ao operacional, as informações devem ser diligentemente sintetizadas de maneira a se adequar ao público que a irá consumir. Isto porque a síntese de uma informação publicada para outros pares de analistas é bem diferente da síntese para um diretor de marketing, por exemplo. Imagine esses dois papéis recebendo informações trocadas, ou seja, o analista recebe o material publicado para o diretor de marketing e este recebe o material dos analistas. Garanto que o primeiro achará que estão faltando informações, enquanto o pobre diretor está sofrendo com um excesso desnecessário delas. O que ocorre, numa gama significativa de casos, é que o mesmo dashboard é apresentado igualmente aos diferentes papéis nas empresas, sem a preocupação com a drill down adequada. Algumas vezes até é possível mergulhar na informação, mas ao invés do mergulho ser suave, ele é inseguro, confuso e – palavrinha mágica – descontextualizado.

 

Quais são as preocupações que devo ter para sintetizar de maneira adequada um dashboard?

A primeira delas é trazer nexo ao público consumidor. Portanto, a palavra a ser perseguida aqui é a contextualização, e com isso em mente sua missão é ter bem clara quem será o público consumidor. No estilo Sérgio Chapelin 2, pergunte-se: quem são/serão os consumidores do dashboard? Onde vivem? Do que se alimentam? Enfim, saiba tudo, deste público para então dar a relevância devida à informação que será apresentada. A contextualização passa por um entendimento seu do que é relevante para o seu público. Se sua etapa de análise de negócio foi bem feita não terá grande trabalho em saber, mesmo que implicitamente, o que é relevante para quem irá ou pretende consumir sua informação analisada. Traga sempre isto à luz: firme e confirme toda vez que julgar necessário quais informações são imperativas para tomada de decisão por parte do público consumidor. Após estas etapas da contextualização é que você se perguntará “das informações que analisei, quais e de que forma sustentam a contextualização para que a informação seja consumida?”. Como Knaflic (2018, pág. 23) diz: “Dados se tornam a evidência que corrobora a história que você vai contar”.

A segunda preocupação deve ser com a escolha de um recurso visual adequado. Não me delongarei explicando o tema, pois a internet possui um vasto material sobre “qual gráfico é adequado para qual tipo de informação”, entretanto, chamo a atenção para que, dotado de uma contextualização perspicaz, você tenha o cuidado com a escala, o tipo do dado, a temporalidade, a complexidade, e a característica de cada informação que deverá ser sintetizada; primeiramente num único gráfico, e depois contextualizada com mais gráficos e elementos de um dashboard. Outra perspectiva, mas ainda neste assunto, é publicar no painel somente objetos com valor informativo. Elimine o excesso a fim de não correr o risco de confundir ou trazer complexidade no processamento da informação por parte do consumidor.

Por último, a preocupação é entender como as pessoas consomem a informação, num sentido mais fisiológico: ver e processar esta informação. Entender este processo cinestésico é condição indispensável para que o contexto apresentado seja intuitivo e a “navegação” no painel possa ser a mais fluida possível. Knaflic chama a atenção para as ferramentas denominadas de “atributos pré-atentivos”. Sobre o uso destas ferramentas, ela explica que podem ser usadas para ajudar a direcionar a atenção do público e para, também, criar uma hierarquia visual dos elementos, contribuindo para que o público esteja sempre servido com a informação exposta de maneira adequada. Atente que tamanho, cor, estilos, contornos e formas são pontos que devem sempre ser levados em consideração para guiar a leitura das suas informações.

Tendo essas três preocupações devidamente atendidas, seu poder de síntese estará aguçado o suficiente para construir um dashboard funcional e de altíssimo valor para o tomador de decisão. Agregado de forma adequada, sem pecar, seja no excesso ou na escassez da informação. Veja que tanto a forma (estética) quanto o conteúdo que está publicado o dado, são os principais elementos de convencimento para que o público a quem se destina tal informação possa consumir seu relatório de tal maneira que sua missão venha a ser um sucesso.

Desta forma, podemos dizer que a principal intenção da etapa de publicação de um dashboard percorre o convencimento do consumidor a consumi-lo, ou seja, de ter uma síntese adequada das informações apresentadas. Estarem corretas e relevantes no tempo de no espaço é a preocupação que antecede a síntese, qual seja justamente a análise das informações.

E então, já considera desenvolver seu perfil sintético ou contratar alguém que o tenha além do perfil analítico?

Fontes: Neil Patel USJT
TAGS: #dashboards

Gostou da solução? Nós podemos ajudar!

Conheça nossos conteúdos gratuitos, direcionados aos assuntos de sua preferência!

Enviar

Receba nosso conteúdo

Gostaria de receber de forma gratuita mais conteúdos sobre este ou outros assuntos? Preencha o formulário abaixo e receba nosso conteúdo gratuito!

Parabéns!

Você receberá nosso conteúdo em breve!

Atenção

Tivemos um problema com seu formulário, tente novamente.